Segunda-feira, 19 de Janeiro de 2009

Indicadores do estado de saúde

O estado de saúde do organismo humano é permanentemente condicionado por factores de ordem física, mental e social, que influenciam a saúde individual e das populações.

Para avaliar o estado de saúde de uma população, com o objectivo de prevenir doenças e de implementar medidas promotoras de saúde, usam-se indicadores do estado de saúde de uma população.

São exemplos desses indicadores: a esperança de vida e as taxas de natalidade e mortalidade.

 

Taxa de mortalidade infantil

A taxa de mortalidade infantil – número de crianças que morrem no seu primeiro ano de vida, por cada mil crianças nascidas vivas – é um indicador importante do estado de saúde de uma população. O seu valor, para uma determinada população, permite perceber se existem e avaliar a qualidade dos cuidados de saúde dessa população.

 

Esperança de vida

É o número de anos que, em média, um ser humano pode viver. Ao longo da história da humanidade a esperança de vida nem sempre foi a mesma. Por exemplo, na pré-História a esperança de vida era de 30 anos, pois a sobrevivência dos seres humanos dependia fortemente do meio em que viviam. Na idade Média a esperança de vida continuava a não ser muito elevada, pois nessa época as condições de higiene eram precárias ou inexistentes, facilitando a propagação de doenças ou epidemias. Nos séculos XIV e XV, a esperança de vida da população portuguesa situar-se-ia entre os 35 e os 40 anos.

Ao longo do tempo e, com a melhoria das condições de vida, a esperança de vida foi aumentando, devido aos avanços científico e tecnológico na área da Medicina.

 

Taxa de doenças infecciosas

A taxa de doenças infecciosas é um indicador do estado de saúde das populações.

As doenças infecciosas são doenças causadas por um agente biológico (vírus, bactéria ou parasita) e podem ser transmissíveis através de qualquer forma de contágio.

Em regiões onde os cuidados de saúde são mais escassos, doenças infecciosas como a SIDA, a hepatite B ou a tuberculose provocam um elevado número de vítimas.

 

 

 


publicado por Luís Dias às 15:30
link do post | comentar | favorito
blogs SAPO

.subscrever feeds