Segunda-feira, 12 de Janeiro de 2009

Métodos contraceptivos

A partir da adolescência, o corpo humano está pronto para se reproduzir e, por essa razão, as relações sexuais desprotegidas podem provocar uma gravidez indesejada.

Para ser evitada essa gravidez, devem ser tomadas as devidas precauções e recorrer-se à contracepção.

 

Tipos de métodos contraceptivos

 

Naturais – consistem em calcular o período fértil, durante o qual se evitam as relações sexuais para que não haja fecundação.

Método do calendário – consiste em calcular os dias férteis (entre o 10º e 16º dia, desde o início da menstruação para ciclos sexuais de 28 dias) e inférteis da mulher através do cálculo da ovulação.

Método da temperatura – consiste em avaliar a temperatura do corpo da mulher, que sofre, após uma descida, uma subida desde a ovulação até ao início da próxima menstruação.

Método do muco cervical – baseia-se na análise das propriedades de um muco produzido pelo útero que escorre na vagina, que é transparente, elástico e escorregadio durante o período fértil.

 

Não naturais – impedem a gravidez através de dispositivos locais ou de substâncias, podem ser mecânicos e químicos.

 

 

Métodos não naturais/ mecânicos

Preservativo masculino – saco de borracha, muito fino, descartável, que é desenrolado sobre o pénis erecto, antes da relação sexual. Não tem nenhum efeito colateral e apenas pode ser usado uma única vez. Extremamente importante na prevenção de doenças sexualmente transmissíveis.

Preservativo feminino – invólucro de borracha que se coloca no interior da vagina, impedindo que os espermatozóides cheguem Às trompas de Falópio.

Diafragma – cúpula de borracha fina, montada sobre um anel de metal flexível recoberto de borracha. É introduzido na vagina, sobre o colo do útero pela mulher, antes da relação sexual.

Dispositivo intra-uterino – dispositivo colocado no interior do útero, pelo médico especialista, impedindo a nidação. É desaconselhado às adolescentes devido ao risco de infecções que podem provocar esterilidade.

 

Métodos não naturais/químicos

Pílula – comprimidos constituídos por hormonas sintéticas (estrogénios e progesterona), que alteram o ciclo sexual normal e, desta forma, impedem a ovulação.

Pílula do dia seguinte – tipo de pílula de utilização excepcional, que deve ser tomada pela mulher nas 72 horas seguintes a uma relação sexual.

Espermicidas – cremes que são usados antes das relações sexuais para destruir os espermatozóides. 

 

 

 

 

 


publicado por Luís Dias às 09:15
link do post | comentar | favorito
blogs SAPO

.subscrever feeds